Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2011

Espaços vazios

Não existem heróis
Nem vilões por aqui
Tudo está acabado
Sepultado num quarto sem flores

As estrelas brilham
Meio ofuscadas
Afogando mágoas
E mágoas são finos retratos
De velhas mentiras desbotadas
Atiradas na calçada fria

Queria lhe matar pra viver
Queria te arrancar, esquecer
Memórias mortas
Que não servem de nada

A solidão devora
Estrangula meus ismos
Cadáveres invadem
Espaços vazios
Nas mentes perdidas
Que vagueiam na noite

Te digo
Preciso te enterrar pra viver
Preciso te matar pra esquecer

Assim
As dores que rasgam em mim
Te devolverão o veneno

Chega de desculpas
Ninguém aqui é santo
Pobre coitadinho
Confundiu doce com amargo
Apenas descolem essas frases
Que insitem em mentir
Uma linda história de amor
Que nunca existiu

Quem nunca existiu
Se perdeu
Quem nunca existiu
Se partiu
Quem nunca existiu
Se quebrou

Envenenou-se
E de amor
Morreu
Sem nada entender

Que o amor não é eterno e nunca será
Que o amor sempre fere e viverá

Nas entranhas amaldiçoadas humanas
Que não se contenta com pouco

E não era pouco
E não era pouco

Mas se perde…

Liberdade não existe

Quem vamos ter que fuder pra conseguir essa tal liberdade?Essa é a merda que temos que encarar Te digo sem piedades Como aprendi com Piva Se alguém venceu na vida É porque está fazendo merda
Dentro da realidade que vivemos Acostuma-se a vala Acostuma-se lama
Únicas companheiras que não irão te apunhalar pelas costas
E te digo mais A vida assim, cheia de regras Mesmo que libertarias É um prato cheia de bosta
Não há maquiagem Liberdade não existe Não tem botão que reinicia porra nenhuma
Canalhas,canalhas e canalhas Por todos os lados canalhas
Carismáticos Simpáticos Talentosos
Gente metida a besta Que sempre fode tudo Querendo ser autoral Única
E aí? Mais uma dose? De loucura? Filosofia barata que só serve pra se masturbar
Esse conhecimento histórico anárquico Me dá vontade de vomitar A gente tá levando no cu sem vaselina E querem esbanjar teorias
Que geração é essa? Que geração de merda é essa? Não consegue fumar uma maconha sem brochar
Mania de vida saudável Vai pro caralho! Eu quero adquirir uma cirrose Um câncer de pul…

Triste universo indecifrável e cruel

O ser humano Constrói em suas entranhas sociais
Um ser fraco Desamparado Que deseja ser salvo
Triste universo indecifrável e cruel
Refugio Covardia Medo de emancipação
Construção simbólica? Desatino de uma alma doente?
Pois é, Deus é um pensamento mítico Que superou as cavernas

Sem piedade

O destino Não oferece aviso prévio Nem declara feriado
Ele acontece E nosso livre arbítrio Entra em óbito
O que era pra ser sustentável Derrete e se perde no vazio
Por não conhecer regras Por não ter controle de rédeas Colapso inevitável
Atirados num mar em fúria Sem dó Sem piedade Aceitamos o morticínio
Angustiamos Imploramos
Explicações inúteis Que sufoca a existência
Afinal o destino É uma explosão que devora sem compromissos

Determinado

Queria poder dividir Quem eu sou Da função social que exerço
Assim produzir sem odiar E encontrar sentido no que faço
Mas aqui estou Acorrentado Incapacitado
Determinado pelas condições materiais Que regulam a vida
Afastado de mim Me sinto atirado em contradição
Dividido Empobrecido Querendo gritar Silenciado
Tendo somente a certeza Que em cada peça que produzo Um pedaço de mim se perde